Lançamentos

Com investimento de R$ 87 milhões, Senai Cimatec Park entra em operação

Empreendimento no Polo de Camaçari inaugura uma nova era para a indústria
Por: Correio 24horas       13/11/2019
A indústria brasileira ganhou, ontem, um complexo de pesquisa, desenvolvimento e inovação de excelência e padrão mundial: o Senai Cimatec Park. Localizado no Polo de Camaçari, o empreendimento ocupa, nesta primeira etapa,  uma área de 62 mil metros quadrados, conta com  dez  galpões industriais e toda a infraestrutura necessária para atender as mais diversas áreas do setor, como  Química, Mineração, Fármacos, Biotecnologia e Construção Civil. Os investimentos somaram recursos da ordem de R$ 87 milhões, provenientes  do Senai (nacional e regional) e do BNDES. 
Primeira etapa do complexo contempla 10 galpões industriais e um prédio administrativo ( Arisson Marinho)
Primeira etapa do complexo contempla 10 galpões industriais e um prédio administrativo
(Arisson Marinho)

"Nós precisamos capacitar nossos profissionais e essa é a grande expertise do Senai Cimatec. O diferencial que teremos é criar um ambiente que permita reter na Bahia a nossa inteligência e desenvolver talentos”, disse Ricardo Alban, presidente  Federação das Indústrias da Bahia (Fieb), durante a solenidade de inauguração do complexo, ontem à tarde. 

“Iremos atrair centros de pesquisas de empresas brasileiras e internacionais para que se instalem em nossa estrutura. Também iremos criar um ambiente de negócios para termos nessa área empresas de engenharia e serviços, dinamizando nosso complexo", completou o diretor de tecnologia e inovação do Senai Cimatec, Leone Andrade.
 
Senai Cimatec Park, no entanto, já nasce olhando para o futuro. O empreendimento deve mais que duplicar de tamanho nos próximos anos. Um grupo de empresas do segmento de Petróleo e Gás, por exemplo,  pretende  implantar um projeto no local, ocupando uma área de 150 mil metros quadrados. Os investimentos estimados alcançam R$ 330 milhões.   
 
Outros projetos que estão sendo negociados abrangem áreas como sensores para robótica autônoma,  desenvolvimento de protótipos  no âmbito do pré-sal, planta de manufatura avançada, dentre outros. 
 
A ideia, segundo Leone Andrade, é que num horizonte de 20 a 30 anos, o empreendimento ocupe uma área total de 4 milhões de m² e passe a atender  às demandas das indústrias de energia eólica, naval, automotiva, elétrica, papel e celulose, dentre outras. Até lá, os investimentos estimados são de  R$ 2 bilhões.  
 

Primeira etapa

Embora a primeira  etapa represente apenas 1,5% do que se pretende ser construído no local, a estrutura atual já impressiona. O megacomplexo tecnológico e industrial conta com laboratórios avançados, fábricas piloto, áreas de segurança para testes e operações de risco.
 
O complexo conta ainda com laboratório de desempenho das construções, galpão equipado com robôs industriais, área para montagens elétricas e mecânicas e realização de integração e testes e uma fábrica de plantas piloto - a primeira do Brasil que integra todas as competências necessárias para o desenvolvimento de uma planta piloto industrial com a aplicação dos conceitos de Indústria 4.0. O local  permite a realização de projetos que hoje são impossíveis de serem implementados na unidade de Salvador por conta de limitações de espaço e até por questões ambientais e de segurança.
 
O  Senai Cimatec Park já abriga projetos importantes para a indústria nacional. Um  deles - em parceria com a empresa Nexa Resources (antiga Votorantim Metais)  - é uma planta piloto de extração de metais valiosos. O projeto tem como missão recuperar metais valiosos contidos em resíduos industriais (de mineradoras, barragens, metalúrgicas e siderúrgicas) e ou urbanos. 
 
Outro projeto que está no portfólio do Park é a planta verde de ferro gusa, que está sendo desenvolvida em parceria com a Tecnored, empresa da Vale. “Será a primeira planta de ferro gusa verde, com até zero em emissão de carbono. Vai mudar a matriz energética da produção siderúrgica nacional”, conta  o diretor de Tecnologia e Projetos da Tecnored, Hermes Filho.
Foto: Arisson Marinho/CORREIO
Foto: Arisson Marinho/CORREIO

 

Solenidade

A  inauguração do Senai Cimatec Park reuniu centenas de pessoas. Participaram da solenidade   funcionários do Sistema Fieb, empresários dos mais diversos segmentos,  dirigentes de entidades empresariais  e autoridades como o governador   Rui Costa, o prefeito de Salvador, ACM Neto, o prefeito de Camaçari, Antonio Elinaldo, o presidente da    da Confederação Nacional da Indústria (CNI), Robson Andrade, dentre outras.
 
Para o governador, o Senai Cimatec Park representa a entrada da Bahia e do Brasil na disputa do novo emprego no mundo. "Hoje a diferença se dá entre quem investe em pesquisa e tecnologia e quem não investe. Essa inauguração significa um passo adiante para que juntos possamos trabalhar para o desenvolvimento do conhecimento e para a criação de novas empresas a partir da tecnologia, gerando empregos, renda e crescimento econômico", destacou. 
 
Já o prefeito ACM Neto   disse que  o Senai Cimatec Park beneficia toda a Bahia e tem uma conexão "muto forte" com Salvador. "Este empreendimento terá uma estrutura complementar com o Senai Cimatec de  Salvador. Os dois juntos formam a maior estrutura deste tipo na América Latina. É muito importante que a Bahia esteja na vanguarda, numa posição de liderança nesta área", afirmou o gestor. 
 
O presidente da CNI, Robson Andrade,  disse que o Senai Cimatec Park é o maior parque de inovação da América Latina. "Este empreendimento certamente vai ajudar muitas empresas a transformar seus produtos e a melhorar a competitividade. Um parque desse favorece muito a atração de empresas que estão em busca de inteligência e de centros de pesquisa", afirmou. 
 
Rogelio Golfarb, vice-presidente de estratégia da Ford América do Sul, lembrou  que o Senai Cimatec foi fundamental  para a vinda  da montadora para a Bahia. "O Senai Cimatec tem padrão global. Ele se equivale e  às vezes é até melhor  que muitas instituições similares em países como os Estados ou da  Unidos e Europa", afirmou.

 


Continua depois da publicidade


CNI diz que projeto terá impacto no Brasil inteiro
O presidente da Confederação Nacional da Indústria (CNI), Robson  Andrade, diz que o  Senai Cimatec Park  vai ampliar a competitividade do setor industrial não apenas na Bahia mas em todo o país. "É um projeto que tem uma importância enorme para o país", diz. 

Qual a importância do Senai Cimatec Park para o setor industrial do país? 
Robson  Andrade - Esse é o maior parque de inovação  da América Latina. A primeira fase deste complexo, com investimento de mais de R$ 80 milhões, certamente vai ajudar o setor industrial do país a ganhar  competitividade não só na Bahia mas no Brasil inteiro. 

É um projeto que ajuda na atração de novas empresas? 
Robson  Andrade -  É claro que um parque deste porte instalado aqui favorece muito a atração de empreendimentos e de empresas que  estão em busca de inteligência e centro de pesquisa. A inauguração deste projeto tem uma importância enorme para a indústria como um todo. 

Como tem sido os investimentos do Senai nacional nesta área? Como a Bahia tem participado deste processo?
Robson  Andrade - O Senai no Brasil investiu nos últimos anos mais de R$ 3 bilhões  na construção de 28 centros de inovação e outros 58 de tecnologia, instalados no Brasil inteiro. A Bahia tem sido muito beneficiada por diversos motivos. O presidente da Fieb [Ricardo Alban] é muito atuante, tem buscado esses recursos. A indústria aqui tem  crescido e se desenvolvido. E aqui já tinha um centro  avançado. Isto facilita os investimentos.

Senai Cimatec é destaque na área de inovação

O Senai Cimatec  tem sido um parceiro estratégico das empresas brasileiras quando o assunto é inovação, pesquisa e novas tecnologias. A unidade de Salvador conta hoje com um Centro Tecnológico, um Centro Universitário e uma Escola Técnica. Esta estrutura robusta desenvolve, dentre outras coisas, projetos de novos produtos e materiais industriais, desde a concepção até a produção em grande escala. Também faz análises e ensaios metrológicos e calibrações de equipamentos e certificações de materiais. Desenvolve ainda serviços de engenharia para projetos de pesquisa e inovação, bem como a realização de consultorias, serviços técnicos e tecnológicos.

A instituição foi inaugurada oficialmente em 2002. De lá para cá, o Senai Cimatec foi ampliado, passou a oferecer cursos superiores de tecnologia em várias áreas, como Mecatrônica Industrial, Gestão Logística e de Inspeção de Soldagem e Equipamentos, inéditos no estado. Em 2016 foi reconhecido pelo MEC/INEP como a melhor instituição de ensino superior em engenharia do Norte/Nordeste do País. 

O Senai Cimatec  ganhou diversos laboratórios e a primeira Fábrica Modelo 4.0 da América Latina, implantada no Campus em parceria com a McKinsey & Company, que trabalha a metodologia Lean Manufacturing, e tem proporcionado ganhos de até 200% de produtividade em empresas de segmentos variados. Conta ainda com um centro de supercomputação para inovação industrial hoje referência no País e o segundo maior da América Latina.

 "O Cimatec tem uma das melhores estruturas para projeto, construção e operação de plantas piloto no Brasil e creio que até no mundo”, diz Rodrigo Gomes, gerente geral de Inovação da Nexa.  “Considero o Cimatec o maior centro tecnológico da América Latina e a maior experiência de parceria público-privada que conheço no mundo”, acrescenta Hermes Filho, diretor de Tecnologia e Projetos da Tecnored.


Comentários

 


Notícias Relacionados

Evento do fortalecimento da indústria, FEIMEC 2020 tem 95% de comercialização e crescimento de 20% - Imagem: Feimec
Eventos

Evento do fortalecimento da indústria, FEIMEC 2020 tem 95% de comercialização e crescimento de 20%

Com 62 mil m2 de área de exposição, 1 mil marcas expositoras e projeção de 65 mil visitantes, maior feira internacional da indústria de máquinas e equipamentos da América Latina vai atender demanda...
Ciberataque: proteção não é uma escolha será debatido no ABIMAQ INOVA
Eventos

Ciberataque: proteção não é uma escolha será debatido no ABIMAQ INOVA

Em sua 12ª edição, o ABIMAQ INOVA discutirá as estratégias em cibersegurança, os impactos dos ataques cibernéticos, as tecnologias de defesas, proteção de dados (LGPD), e cases de empresas que...


Publicidade »

Publicidade »