MPK aumenta a segurança de operações ferroviários com IIoT e leva o Prêmio ABII 2022

O trabalho apresentado pela empresa trata da utilização de um protocolo para monitoramento de equipamentos de waysides ferroviários e o impacto positivo que isso traz.

Por: Stefani Ceolla/ Especial CIMM Exclusiva 01/12/2022  

Com o case chamado “IoT Salvando Vidas na Operação Ferroviária”, a MPK Equipamentos Industriais venceu o Prêmio ABII 2022. A empresa sediada em Curitiba concorreu com Tupy, Dexco e Bosch e levou o prêmio com o caso de sucesso de uma solução de IoT nos equipamentos de passagem em nível, ponto crítico de acidentes ferroviários. A premiação da Associação Brasileira de Internet Industrial (ABII) foi entregue nesta terça-feira (29), durante o 14º Encontro Nacional ABII no Senai de São Caetano do Sul (SP), e você pode conferir os cases das outras finalistas aqui

O case da MPK retrata a aplicação da internet das coisas (IoT) tanto em indústrias que utilizam a ferrovia no seu processo fabril, quanto no transporte logístico de cargas por meio deste modal. A MPK é uma empresa 100% brasileira que desenvolve equipamentos de sinalização ferroviária. Iniciou a trajetória no mercado ferroviário em 2012, e atualmente atende as maiores concessionárias do país.

Um dos produtos da MPK é a aplicação de IoT nos equipamentos de passagem em nível, considerada o ponto mais crítico de acidentes ferroviários, pois se trata do local de cruzamento entre uma ferrovia e uma pista rodoviária. O Brasil tem mais de 12,5 mil passagens em nível, e todos os anos dezenas de pessoas perdem a vida em acidentes nesses pontos, segundo dados da empresa.

Para proteger o cruzamento, equipamentos de sinalização de segurança são instalados, dotados de sinalização visual, sonora e cancelas ferroviárias, que sinalizam e isolam a ferrovia durante a passagem do trem. No case apresentado, a MPK citou um exemplo de acidente em cruzamento e como a tecnologia desenvolvida pela empresa ajuda a evitar tragédias nas ferrovias brasileiras


Continua depois da publicidade


“O índice de acidentes fatais nas passagens em nível do Brasil são muito altos. O time da MPK trabalha incansavelmente para reduzir esse índice, desenvolvendo tecnologia nacional, aumentando a segurança e confiabilidade dos equipamentos e reduzindo os custos para viabilizar a instalação de equipamentos de proteção em todas as passagens em nível do país”, afirma Vinicius Monteiro, gerente-comercial da MPK Equipamentos Industriais.

Solução vencedora 

A solução desenvolvida pela MPK partiu da identificação de um grave problema: os acidentes nos cruzamentos entre ferrovias e estradas. A empresa conta que, em 2022, no interior de São Paulo, um incidente aconteceu em uma passagem em nível que contava com equipamento de sinalização de uma empresa internacional. O equipamento estava em pleno funcionamento, porém a fonte de alimentação falhou. O equipamento continuou funcionando utilizando o nobreak, mas após 12 horas, desligou devido à falta de energia. Uma motorista habituada a passar pelo local viu a cancela aberta e cruzou pela rodovia, e o veículo foi atingido por um trem.    

A MPK desenvolveu uma solução IoT para evitar esse tipo de tragédia. "Desenvolvemos um equipamento que monitora todas as funções de segurança do sistema, como nível de bateria, entrada de energia, posição do braço da cancela, sinalização luminosa e sonora, fluxo e histórico de passagens de trens", explica Monteiro.

Este equipamento possui placas de eletrônica embarcada que captam os sinais e os envia para IoT Core AWS com alarmes de segurança para os itens críticos, solucionando o problema e protegendo a vida dos condutores. "No acidente apresentado, caso o equipamento possuísse esse sistema, no momento que a fonte falhou e o equipamento entrou no modo nobreak, a equipe de manutenção seria notificada e teria tempo suficiente para a correção do problema. O acidente teria sido evitado", avalia o gerente da empresa.

Além disso, devido à comunicação com IoT Core, além do deslocamento imediato de uma equipe para o local, os maquinistas são notificados e é imposta uma restrição de velocidade no local até a correção do problema. 

Este equipamento é modular, o que possibilita a integração com equipamentos de qualquer fabricante. Até o momento, a MPK instalou o sistema de monitoramento em seis pontos no estado de São Paulo. Para o ano que vem, é prevista a instalação em mais 90 pontos, cobrindo as passagens em nível mais críticas do país.

Vinicius Monteiro recebe Premio ABII 2022 pela MPK
Vinicius Monteiro, gerente-comercial da MPK Equipamentos Industriais, recebendo o Prêmio ABII 2022. Imagem: Divulgação/ ABII

Prêmio ABII

Esta é a quinta edição do prêmio entregue pela ABII. A premiação é reconhecida nacionalmente por destacar projetos que desenvolvem ou utilizam as tecnologias habilitadoras da indústria 4.0 e a internet industrial das coisas (IIoT)

O júri convidado para julgar os projetos na grande final foi formado por João Vitor Stedile, diretor executivo da Associação de Engenheiros Brasil-Alemanha (VDI); Sylvia Cristina Kimura, especialista em tecnologia do Senai São Caetano do Sul; e Claudio Goldbach, CEO da Termica Solutions e conselheiro da ABII.

“Os jurados tiveram dificuldades para escolher, está muito apertado. Estão todos de parabéns”, disse José Rizzo Hahn Filho, presidente da ABII, na entrega da premiação. “O prêmio ABII 2022 vai para a MPK, com menos de 1% de diferença em relação ao segundo lugar”, revelou.

Monteiro celebrou o resultado. “Agora estou mais tranquilo para falar. Quero agradecer toda a ABII, o acolhimento de vocês foi incrível. Aproveito para agradecer aos nossos clientes da ferrovia, que viram oportunidade de uma empresa pequena fazer esse movimento e estar aqui hoje. É uma honra, um prazer estar aqui. Se tudo der certo, no ano que vem a gente volta como empresa associada à ABII”, afirmou o representante da empresa vencedora.

Critérios de avaliação do Prêmio ABII 2022

  • Clara definição do problema vigente que precisa ser/ou foi resolvido;
  • Gerou novo negócio para empresa ou mercado (no caso de fornecedores de tecnologia); ou tamanho do impacto: representa uma mudança incremental? (no caso de usuários de tecnologia);
  • Quantidade de tecnologias impulsionadoras para a indústria 4.0 utilizadas no case;
  • Pilares da IIoT ou indústria 4.0 atendidos;
  • Amplitude de atendimento para empresa ou sociedade;
  • Escalabilidade;
  • Facilidade de aplicabilidade no mercado;
  • Indicadores de resultado: como foi validada a solução, quais os resultados mensurados e ganhos competitivos;
  • Case aplicado no Brasil/desenvolvido por unidade do Brasil;
  • Grau de originalidade e inovação.

Gostou? Então compartilhe: